Regime aduaneiro para o setor de O&G é tema de curso em dezembro

19 de outubro de 2018


A indústria de petróleo e gás se caracteriza por investimentos de longo prazo e alto risco. O aumento das atividades exploratórias no país significa que o setor tem o desafio de explorar o grande potencial das reservas de óleo e gás enquanto a demanda ainda é crescente.

Para tal, são necessárias políticas e iniciativas que estabeleçam um ambiente de negócios transparente e estável para atrair investimentos, capazes de gerar recursos que alavanquem a economia, a geração de emprego e renda, contribuindo para o desenvolvimento do país.

Por isso, o instituto abre inscrições para a primeira turma do curso de Repetro-Sped e seus Impactos, que vai acontecer no dia 03 de dezembro, na sede do IBP, no Rio de Janeiro.

O objetivo do curso é apresentar as melhores práticas da indústria, possibilitando a identificação dos condicionantes do Repetro-Sped – regime de desoneração dos investimentos e custos operacionais de E&P, com vigência até 2040 – a avaliação da carga tributária de projetos de E&P e seus riscos.

De acordo com Bruno Fonti, professor do curso, a mão de obra da indústria de óleo e gás no Brasil, hoje, estimada em 400 mil trabalhadores, tem uma projeção de aumento para 800 mil profissionais em 2022. “A ampliação do Repetro-Sped, até 2040, significará um acréscimo nos investimentos no setor de óleo e gás entre US$ 53 e 102 bilhões e, consequentemente, um aumento nas participações governamentais e tributos diretos e indiretos”, afirmou.

O curso é destinado a administradores, gerentes, coordenadores, consultores, advogados, despachantes aduaneiros, analistas e operadores de comércio exterior que desejem ampliar seus conhecimentos sobre as normas aduaneiras e tributárias que regem o Repetro-Sped.

As inscrições já estão disponíveis e associados do IBP tem desconto. Participe!

Educação que gera energia